TENA

Centrada em si > Sexo > Bom sexo depois da menopausa. Guia para casais (parte 1)
Home Sexo Bom sexo depois da menopausa. Guia para casais (parte 1)

Bom sexo depois da menopausa. Guia para casais (parte 1)

Sexo


Sexo depois da menopausa
0 25128

Os nossos companheiros têm muito que fazer (e que ajudar-nos) para melhorar a nossa vida sexual durante a menopausa. Este artigo vai ajudar-nos a ter em conta não só aspetos sexuais, mas também os fatores biológicos e psicológicos que podem influenciar o nosso desempenho sexual a partir da idade madura.




É a menopausa o fim da vida sexual? Nem pensar. Ou melhor, não há razões para que assim seja. A menopausa é um período de mudanças e é natural que uma mulher possa sentir-se confusa. O que nunca deve fazer é resignar-se. Por isso, conhecer o que acontece nesta fase da vida e enfrentar os possíveis problemas com naturalidade é a base para, tanto nós como os nossos companheiros, continuarmos a usufruir como sempre (ou mais que nunca) da nossa relação.

As causas da uma perda (momentânea) do apetite sexual

Existem várias causas possíveis para a mudança de perceção do sexo quando uma mulher se aproxima ou entra na menopausa:

O primeiro que há a fazer é detetar se padece de algum ou de vários dos sintomas descritos. O segundo, é assumir com naturalidade que o que está a ocorrer é completamente normal. E, finalmente, o que se deve fazer é atuar. Pois de uma coisa estamos certas: a vida sem sexo é pior.

Envolva o seu companheiro: não é só uma coisa sua

Os problemas sexuais da menopausa são coisa de dois e devemos envolver o nosso companheiro no assunto. Ou as consequências não afetam também a outra parte? É útil que os dois estejam informados sobre porque surgem os sintomas sexuais da menopausa e como podemos encontrar solução. Os casais mais bem informados sobre este assunto estão numa melhor posição para se ajudarem mutuamente e, concretamente, para as mulheres na menopausa tratarem dos sintomas e continuarem a ter uma excelente vida sexual depois da menopausa. Não haja dúvidas a este respeito!

Consultem (os dois) um médico especialista

Como isto é coisa dos dois, é quase obrigatório que ambos partilhem esta nova aventura. E isto inclui também consultar juntos o médico para avaliar os problemas. Um médico é um amigo e fará sempre o melhor para as duas partes. Neste caso, tanto um como o outro têm motivos suficientes para se informarem em primeira mão e partilhar inquietudes.

Não procure culpados, apenas soluções

É normal que durante esta etapa da sua vida se encontre mais irritada que o normal, mas isso não a deve impedir de se sentar e respirar. Também no que diz respeito ao sexo. Não serve de nada culpar o outro. É bem mais efetivo procurar soluções. E isto é algo que implica (de novo) os dois. O seu companheiro também deve saber e compreender que está especialmente sensível e relativizar cada zanga ou mau humor.

Um problema físico? Há remédio

Todos os problemas têm solução e é o médico que a vai ajudar a encontrar a melhor para si. Se o verdadeiro problema é físico (secura vaginal, dor, pouco desejo) há tratamentos que podem ajudar. Por exemplo, o estrogénio vaginal ou a terapia de substituição hormonal. Ou geles. E também pode acontecer que se tenham debilitado os músculos associados à vagina, fazendo com o que o sexo seja incómodo. Os exercícios de Kegel ajudarão a estimular o seu pavimento pélvico. Como sempre, o médico é seu amigo.

Questão de stress? Experimente fomentar o relaxamento

Muitas vezes o problema não é tanto a perda de libido associada diretamente às hormonas ou a incómodos físicos deste período da sua vida. A miúde  a perda de apetite sexual deve-se a questões mentais. Está de mau humor, tudo a cansa, tem um stress que não aguenta. O primeiro a fazer é detetar que é isto que realmente está a acontecer. E o passo seguinte é procurar uma solução. E esta será possível, fomentando o relaxamento. Há técnicas para isso e a meditação é uma delas. Também há métodos efetivos para respirar e encontrar, desta forma, a calma. E nunca desdenhe daquela opção tão maravilhosa que é o yoga. Físico e mente ao serviço de um renascimento sexual.

Voltar a começar, também no sexo

Viva este período como e tratasse de um passo atrás para tomar balanço e dar um enorme salto na sua vida, incluindo na sexual. Trabalhe com o seu companheiro, perca o medo e comece  do zero, se detetou um problema e quer encontrar a solução. Naturalidade, sinceridade e determinação são as chaves para que tudo volte a ser igual (ou melhor) que antes.

Pode também interessar-lhe...

  • Falamos de sexo com naturalidade?Falamos de sexo com naturalidade? Quando há algo que não está a funcionar, fala sobre o assunto com o seu companheiro? E com as suas amigas? Conta a alguém ou tem vergonha […]
  • Mindfulness e sexo: funcionam juntos?Mindfulness e sexo: funcionam juntos? Sabe qual a relação entre o mindfulness e o sexo? A capacidade de controlo do nosso próprio corpo e dos estímulos que recebemos podem […]
  • Chega a menopausa e… adeus ao sexo?Chega a menopausa e… adeus ao sexo? Chegou a menopausa e sente de tudo (afrontamentos, dificuldade em dormir, mau humor...) menos alegria na cama. Nem vontade. Significa isto […]
  • Dor nas relações sexuais?Dor nas relações sexuais? Muitas mulheres sentem de forma esporádica ou permanente dores que as impedem de completar a penetração. É uma delas? Ajudamo-la a […]
  • Orgasmo e pavimento pélvicoOrgasmo e pavimento pélvico Algumas mulheres atingem o orgasmo facilmente, outras têm muita dificuldade. E não é raro ouvir mulheres dizerem que nunca sentiram um […]
  • Dispareunia e pavimento pélvicoDispareunia e pavimento pélvico A dor nas relações sexuais pode dever-se a muitas causas. É fundamental que um especialista avalie o estado das estruturas do pavimento […]
Partilhe com as suas amigas:
Centrada em si