TENA

Home Saúde Atividade física Pilates e incontinência urinária

Pilates e incontinência urinária

Atividade física

pilates e perdas de urina
0 18400

Se quer praticar esta atividade tão completa, mas tem problemas de pavimento pélvico, cuidado! Deixamos aqui alguns conselhos sobre como escolher o ginásio adequado e como praticar os exercícios para que ajudem a fortalecer a musculatura pélvica.


O pilates é uma boa opção para manter em bom estado toda a musculatura do  corpo. Se uma mulher está bem de saúde e em boas condições físicas, esta atividade pode ser muito benéfica. Além disso, quando existem problemas de costas ou articulares, pode servir como técnica de reabilitação. No entanto, em situações de incontinência urinária, prolapsos e riscos de enfraquecimento do pavimento pélvico (durante a gravidez, no pós-parto ou durante a menopausa) é conveniente estarmos atentas e ter muito cuidado com os exercícios que se pratiquem. Embora não se tenha sintomas, os músculos do pavimento pélvico poderão estar muito distendidos e débeis. Se está em situação de risco, quanto mais proteger o pavimento pélvico, melhor conservará a sua qualidade de vida.

 Alguns exercícios de pilates provocam uma excessiva pressão no abdómen e devemos evitá-los quando há problemas de pavimento pélvico.

Isto não significa que não possa praticar pilates. As mulheres em situação de risco são as que têm mais razões para fazer exercícios e melhorar o fortalecimento geral dos músculos, mas devem praticar os exercícios de forma controlada e com instrutores certificados. Alguns exercícios de pilates provocam uma excessiva pressão no abdómen e devemos procurar evitar esta pressão quando há problemas de pavimento pélvico

Como praticar pilates segundo a causa da incontinência 

Problemas neuromusculares: há mulheres que têm perdas de urina e a razão não está relacionada com a qualidade dos músculos do  pavimento pélvico, mas antes com o processo de controlo neuromuscular. O sistema nervoso atua como se tivesse esquecido a estrutura pélvica e apesar desta se encontrar em boas condições não é ativada como devia ser. Isto significa que se fizermos um programa de pilates correto, poderemos melhorar e corrigir as condições do nosso pavimento pélvico.

Debilidade do pavimento pélvico: quando o problema está relacionado com uma alteração nas estruturas musculares ou no tecido que suporta o pavimento pélvico, os órgãos do interior da pélvis (bexiga, vagina e reto) estarão numa situação muito vulnerável quando se produzam aumentos de pressão no abdómen, pelo que deve haver um controlo rigoroso do tipo de exercícios que se devem realizar.

Algumas recomendações:

1. Antes de começar devemos fazer uma avaliação do estado do pavimento pélvico.

Se tivermos incontinência urinária ou estivermos numa situação de risco, é recomendável que um profissional (médico ou fisioterapeuta profissional) avalie o nosso estado antes do início das aulas de pilates. O especialista vai indicar-nos o tipo de exercícios mais convenientes e em alguns casos vai recomendar a prática de outras técnicas antes de pilates. Por vezes é difícil saber que grau de pressão abdominal pode ser prejudicial, porque sempre dependerá das condições em que se encontra o pavimento pélvico, quer dizer, quanto melhor for o estado do pavimento pélvico maior pressão abdominal será capaz de suportar e, portanto, poderemos praticar qualquer exercícios.

2. Falso pilates e monitores reciclados.

Certifique-se de que o que vai praticar é pilates e não manutenção. Muitos ginásios oferecem gato por lebre e as suas aulas de pilates realmente são apenas aquele tipo de aulas de ginástica que havia antes do boom do pilates invadir os ginásios. Exija que o instrutor seja um especialista em pilates. Na medida do possível, escolha ginásios cuja atividade principal seja o pilates. E, podendo escolher, procure aulas com poucos alunos, porque permitem fazer os exercícios de modo mais controlado, evitando possíveis lesões.

3. Informe o monitor do seu caso.

É normal que os monitores desta atividade, pelo menos nas aulas de pilates com um número reduzido de alunos e em ginásios especializados, estejam informados e familiarizados com as lesões e os problemas que possam ter os seus alunos. O pilates é uma técnica que em muitos dos seus exercícios tem em conta a musculatura do pavimento pélvico. Deste modo, informe o monitor de que a musculatura do seu pavimento pélvico está debilitada para que ele tenha em conta a situação e lhe possa indicar que exercícios não deve fazer ou como os fazer de outro modo para não danificar o pavimento pélvico.

4. Automatize a contração do pavimento pélvico.

Independentemente de que o monitor assinale a contração do pavimento pélvico num determinado exercício, habitue-se a compaginar contração e respiração. Se sempre que expirar o ar, contrair o pavimento pélvico, acabará por interiorizar o movimento e de cada vez que libertar o ar vai contrair a musculatura pélvica e, deste modo, neutralizará a pressão abdominal.

Pode também interessar-lhe...

Partilhe com as suas amigas: