TENA

Home Pavimento pélvico Pavimento pélvico e saúde Faça uma avaliação do pavimento pélvico: como é a primeira consulta?

Faça uma avaliação do pavimento pélvico: como é a primeira consulta?

Pavimento pélvico e saúde

0 13907

É fundamental avaliar o pavimento pélvico para conhecer em que estado está, mas também para aprender bons hábitos e prevenir possíveis disfunções futuras.


Sabemos que não é fácil ter consciência corporal de uma parte do corpo que não vemos, como é o caso da musculatura do pavimento pélvico. Mas é muito importante saber se a tonicidade, a força e a resistência são as adequadas, principalmente em situações que podem sobrecarregar ou danificar esta musculatura. Isto pode ser a causa de problemas como a incontinência.

Não duvide em solicitar uma avaliação do estado do seu pavimento pélvico para prevenir complicações e fortalecer esta zona do corpo, tanto se estiver grávida ou no pós-parto, como se for desportista, se sofre de obstipação crónica ou se apresenta episódios recorrentes de tosse.

Neste tipo de consulta, que pode ser feita por um/a fisioterapeuta especializado ou um/a ginecologista, faz-se o seguinte:

  • Uma inspeção dos genitais externos durante a qual será observado se há uma hiperlaxitude da entrada da vagina, muito frequente nas mulheres que tiveram vários partos vaginais. Este problema manifesta-se por uma abertura excessiva da entrada da vagina, causando sensação de peso, gases vaginais e outros incómodos.
  • Durante a consulta também pode ser avaliada a descida das paredes vaginais. Este exame é feito em repouso ou através da manobra de Valsava, que consiste em prender a respiração com os dedos e posteriormente forçar a saída de ar fazendo pressão. Desta maneira é observado se existe uma cistocele (prolapso da bexiga), um retocele (prolapso do recto) e/ou algum prolapso uterino.
  • prova de esforço: tossir com a bexiga semicheia para avaliar se ocorre incontinência urinária durante esta situação.
  • Com dois dedos inseridos no interior da vagina é pedido para contrair a musculatura pélvica como se quisesse evitar uma perda de urina, desta forma é medida a força da contração muscular. Se além disso for pedido que mantenha a contração o maior tempo possível, avalia-se a resistência.
  • Existem manobras orientadas para avaliar possíveis pontos dolorosos relacionados com o nervo pudendo, o músculo obturador, cicatrizes pós-parto…
  • Finalmente é muito útil avaliar a contração da musculatura pélvica com a ajuda de um ecógrafo e assim ensinar a contrair esta musculatura sem forçar quando tossimos ou fazemos esforço. Quer dizer, a avaliação pode incluir um pequeno treino para que em situações quotidianas de esforço façamos uma correta contração desta musculatura que suporta os órgãos pélvicos.

Em suma, dissipar dúvidas, reeducar hábitos miccionais inadequados e, finalmente, fazer uma avaliação com recurso ao toque vaginal e à ecografia é extremamente recomendável para prevenir disfunções do pavimento pélvico.

Pode também interessar-lhe...

Partilhe com as suas amigas: