TENA

Centrada em si > #AceiteODesafioTENA > Treinador pessoal, posso dar-me ao luxo de ter um?
Home #AceiteODesafioTENA Treinador pessoal, posso dar-me ao luxo de ter um?

Treinador pessoal, posso dar-me ao luxo de ter um?

#AceiteODesafioTENA


Treinador pessoal, posso dar-me ao luxo de ter um?
0 4850

Um treinador pessoal pode ser a chave para nos incentivar e motivar a fazer exercício. Contamos-lhe por que razão deve ter um.




Um dos pilares da vida saudável, segundo a Organização Mundial de Saúde, é a prática diária de exercício físico. Quer tenha sido uma grande desportista, quer leve uma vida sedentária, neste momento é importante para si aumentar a atividade. Qualquer mulher saudável dos 45 aos 60 anos deveria fazer pelos menos 150 minutos de cardio moderado por semana e juntar a este tempo um par de sessões de treino de força. Referimo-nos a levantar pesos e outros exercícios de resistência. Nas máquinas do ginásio ou no tapete com alteres, elásticos, TRY ou keettle bell.

O motivo é que os estrogénios são as hormonas que, entre outras coisas, ajudam a manter os ossos fortes e o seu número diminui durante a perimenopausa e menopausa. Isto pode provocar perda da densidade óssea e, em último caso, osteoporose. “Os exercícios de força e resistência aumentam a densidade óssea. Além disso, aumentam a tonificação muscular e favorecem o equilíbrio e a coordenação”, salienta Marián García, doutorada em farmácia e conhecida nas redes sociais como Boticária García.

Além disso, fazer exercícios com pesos ajuda a fortalecer as articulações e as uniões do tendão com o osso. Se estes exercícios forem feitos corretamente e com a intensidade e frequência adequada, ajudam também a manter em forma a gordura corporal, uma vez que depois de cada sessão aumenta o gasto energético pós-exercício, quer dizer, as calorias que o seu corpo gasta, inclusive a dormir.

As vantagens de contar com o seu próprio treinador

Se fazer treino de força é algo desconhecido para si, antes de pensar em inscrever-se num ginásio e perder-se na selva de máquinas que preenchem estes espaços, talvez seja preferível ponderar a contratação de um treinador pessoal (Personal Trainer). Este deve ser uma pessoas qualificada, licenciada em Ciências do Desporto e da Atividade Física ou, pelo menos, ser um ex-desportista profissional, que possua conhecimentos, habilitações e desenvoltura para conceber e instruir programas de exercícios seguros e efetivos e levar a cabo um treino individualizado.

“Ter um treinador que vá a sua casa, vai ajudá-la a ser mais perseverante; mostra-lhe e orienta-a para fazer os exercícios de forma correta e segura, cria para si um programa de treino à medida das suas necessidades e capacidades e, muito importante, dos objetivos que queira obter. E, por último, mas não menos importante, obriga-a a cumprir as sessões semanais porque, além de lhe ter pago, não vai querer deixá-lo plantado”, explica o treinador pessoal Javi Pantoja, da ML Trainer.

Talvez pense que ter o seu próprio treinador ao domicílio seja um luxo a que não se possa dar. Se pesquisar na Internet, pode encontrar bónus de quatro sessões de treino pessoal ao domicílio por 150€, preço que vai reduzindo à medida que contratar um conjunto maior de sessões. Se ainda assim lhe parecer caro, analise a possibilidade de partilhar a sessão com o seu companheiro ou uma amiga para, desta forma, dividir os gastos. A maioria dos treinadores estão disponíveis para isto.

Também pode contemplar outras opções mais acessíveis que lhe permitam não renunciar a ter à sua disposição um especialista que, sobretudo de início, lhe mostre uma boa técnica para exercitar os músculos corretamente, ajustar a postura e o movimento e a maximizar o seu progresso, sem que os ossos se ressintam.

Opções acessíveis de treino pessoal

Nas opções online, ao não ter que se deslocar, o treinador baixa a tarifa. Nesta modalidade, pode fazer o mesmo treino que faria em casa com ele, esteja onde estiver. Além disso, se na sua cidade não é fácil encontrar este tipo de serviço personalizado, não há problema, uma vez que o treinador pode estar noutra cidade ou até noutro país. O importante é que ambos tenham uma boa conexão à Internet e um dispositivo que se conecte a um ecrã (telemóvel, tablet, portátil…).

O treinador estará consigo em tempo real e durante toda a sessão estará atento aos seus movimentos para os corrigir e para a incentivar a seguir em frente. Os treinos online custam em média 20 euros por sessão e também podem ser partilhados, sempre que o treinador o permita e os participantes caibam no enquadramento da câmara. Normalmente, estes treinos são levados a cabo através de plataformas de videochamadas, como Skype, Zoom, Whatsaap, Hangouts ou Teams e durante as sessões é potenciado o carácter individualizado e personalizado de qualquer treino pessoal.

Uma terceira opção, é treinar com a ajuda de alguma aplicação para telemóvel. Mantendo os seus dados e os seus objetivos, adaptam as tabelas para fazer um certo seguimento através de desafios e gráficos que vão mostrando a sua progressão. A grande dificuldade do sistema é que ninguém está do outro lado para nos corrigir, motivar ou “obrigar” a treinar. É talvez uma opção que deve ficar reservada às mais motivadas.

Desafio: Faça 30 minutos de exercício diário durante 21 dias, o tempo necessário para adquirir um novo hábito.

Pode também interessar-lhe...

Partilhe com as suas amigas:
Centrada em si