Registe-se já ou introduza
o seu email e palavra-passe:

Centrada em si
TENA
Home Pavimento pélvico Incontinência Remédios naturais contra a incontinência, funcionam?
banner_MUESTRA

Remédios naturais contra a incontinência, funcionam?

Incontinência

mulher com suplementos alimentares
0 3722

Os suplementos alimentares que nos vendem para as perdas de urina: sementes de abóbara, ananás..., são realmente eficazes? Que estudos certificam estes produtos?


Partilhe com as suas amigas:

Assistimos a um boom de produtos naturais que são vendidos como suplementos alimentares para tratar problemas de saúde. Mas sabia que, ao contrário dos medicamentos, estes produtos apenas têm de demonstrar que são inócuos e seguros?

Os suplementos alimentares não estão sujeitos ao mesmo processo de avaliação dos medicamentos. Estes, antes da autorização para serem comercializados, tiveram que demonstrar a sua eficácia, mediante estudos sérios, contrastados, comparações com o efeito placebo ou com a fisioterapia do pavimento pélvico. Tiveram que demonstrar cientificamente que “funcionam” para uma doença concreta e que não são nocivos à saúde.

No entanto, os fabricantes dos produtos naturais são apenas responsáveis por assegurar que os suplementos são seguros. Deste modo, esta indústria disparou, devido ao facto de parecer que os produtos naturais carecem de efeitos secundárias e de qualquer toxidade, mas pensemos… são realmente eficazes?

Não há estudos que demonstrem que este produtos alternativos têm benefícios certificados para a incontinência urinária.

No campo da incontinência urinária também estamos a assistir à venda, por laboratórios prestigiados, de complementos alimentares para o “funcionamento normal do sistema urinário.”

Desde logo o próprio conceito é ambíguo, porque para o sistema urinário funcionar normalmente são necessários muitos outros fatores: uma hidratação adequada, controlo neurológico do enchimento e esvaziamento vesical, fortaleza e suporte do pavimento pélvico, estado adequado das mucosas… Tudo fatores que não dependem do consumo de um qualquer extrato vegetal. Por isso, muito cuidado.

Sementes de abóbora?

Os nativos americanos utilizavam as sementes de abóbora para cuidar da saúde do sistema urinário e digestivo. Hoje, os profissionais da saúde natural e alternativa recomendam o seu uso para cuidar da saúde da próstata e da hiperplasia prostática benigna (HPB), ambas problemas do homem. Na Alemanha, as autoridades sanitárias responsáveis por esta área aprovaram o uso destas sementes.

No que respeita à sua eficiência, em 2009, um estudo coreano isolou o azeite das sementes de abóbora para avaliar o seu efeito sobre a hiperplasia prostática benigna nos homens. Segundo esta avaliação, as sementes de abóbora produziram uma melhoria significativa no fluxo urinário e os participantes relataram uma melhoria na qualidade de vida. [1]

Contudo, cientificamente não se pode afirmar que as sementes de abóbora geram e fortalecem o tecido dos músculos do pavimento pélvico ou acarretam benefícios ao tratamento alternativo da bexiga hiperativa. Portanto, é uma mensagem inadequada para as mulheres que sofrem deste problema, que afeta seriamente a sua qualidade de vida e que por isso estão dispostas a tomar o quer que seja.

O que funciona: exercícios de fortalecimento do pavimento pélvico

Atualmente apenas uma reabilitação apropriada sob a supervisão e direção de fisioterapeutas especializados tem evidências científicas no fortalecimento da musculatura do pavimento pélvico como um primeiro passo (sem o recurso a fármacos nem cirurgia) na melhora da incontinência urinária.

Se tem perdas de urina, deve consultar o seu médico para que ele recomende o tratamento mais adequado ao seu caso e possa desta forma solucionar o seu problema. Entretanto, recomendamos que use absorventes específicos para o pH e para a densidade da urina, como a gama TENA Lady*. Estes produtos vão fazê-la sentir-se segura e protegida. Saiba mais clicando neste link.

*Cumpre as normativas dos produtos sanitários

1 Hong H. Kim CS. Maeng S. Effects of pumpkin seed oil and saw palmetto oil in Korean men with symptomatic benign prostatic hyperplassia  Nutr Res Pract. 2009 Winter;3(4):323-7. doi: 10.4162/nrp. 2009.3 4.323. Epub 2009 Dec 31

Pode também interessar-lhe...

Partilhe com as suas amigas:

Deixe-nos um comentário