TENA

Home Psicologia Disforia pré-menstrual: não se cale!

Disforia pré-menstrual: não se cale!

Psicologia


Disforia pré-menstrual: não se cale!
0 6361

Parece que as alterações médicas próprias das mulheres têm que ser silenciadas ou dissimuladas, por medo a que nos rotulem de “frouxas”. Mas há complicações, como a disforia pré-menstrual, que podem afetar em grande medida o nosso dia a dia. A nossa mensagem: consulte o médico.




Hipócrates foi o primeiro a descrever este problema e a psiquiatria fixou-o nos anos 90 como transtorno depressivo. Falamos daquela “semana fatídica prévia à menstruação” que uma grande percentagem de mulheres padece ao longo das suas vidas e que afeta os seus ambientes familiares, sociais e laborais. O nome técnico deste problema de saúde é desordem Disfórico Pré-menstrual (DDPM).

Aproximadamente uma semana depois de ovular, os níveis de estrogénio diminuem no sangue e isto provoca uma resposta anormal da flutuação hormonal. Os estrogénios regulam, entre outras coisas, os sistemas de neurotransmissores como a serotonina, que mantém na linha a irritabilidade e evitam a depressão.

Tudo isto explica também as mudanças anímicas que acontecem na menopausa, uma vez que o fim da reserva ovárica causa a queda de estrogénios no sangue. De facto, um estudo de Harvard evidenciou que a mulher na menopausa tem três vezes mais probabilidade de desenvolver uma primeira depressão, e em mulheres com afrontamentos intensos o risco duplica.

Sintomas da disforia pré-menstrual

Para melhorar a sua qualidade de vida, deve consultar o médico, se apresenta 5 dos seguintes sintomas nos dias prévios ao período:

  • Tristeza, desesperança;
  • Ansiedade, tensão interna;
  • Instabilidade emocional;
  • Irritabilidade ou aumento de conflitos interpessoais;
  • Perda de interesse pelas atividades quotidianas;
  • Dificuldade para se concentrar;
  • Alterações de apetite, empanturramentos ou desejos;
  • Letargia ou insónias;
  • Hipersensibilidade ou aumento do tamanho mamário, cefaleia, incómodos articulares…

O mesmo deve fazer se estes transtornos anímicos se produzirem na perimenopausa unidos a afrontamentos, transtornos do sono ou secura vaginal.

Nos casos leves é fundamental a mudança de estilo de vida, o exercício aeróbico e ferramentas de gestão do stress, como o yoga ou a meditação. Mas se os sintomas limitarem a sua qualidade de vida, consulte o seu médico; ele será a pessoa certa para lhe indicar o tratamento mais adequado em função do seu historial e do seu estilo de vida.

É também importante regular a alimentação: reduzir o consumo de sal, alimentos com alto teor em carboidratos, cafeína, refrigerantes e álcool. Desta forma elevamos os níveis de endorfinas e assim melhora o estado de ânimo depressivo.

Não se esqueça: os seus sintomas têm remédio, consulte o médico.

Pode também interessar-lhe...

  • “Malditos” estrogénios!“Malditos” estrogénios! Os estrogénios são a hormona feminina por excelência. Não só intervêm na fertilidade como causam “efeitos secundários” noutros órgãos do […]
  • Dicas para levantar o ânimoDicas para levantar o ânimo Muitas vezes, com a menopausa, sofremos alterações no estado de ânimo, como a depressão ou a irritabilidade. Determinadas mudanças na […]
  • O que é que sucede no pavimento pélvico durante a menopausa?O que é que sucede no pavimento pélvico durante a menopausa? A esperança de vida da mulher aumentou tanto que hoje em dia ela passa um terço da vida na sua última etapa, que se desenvolve a partir da […]
  • Porque engordamos na menopausa?Porque engordamos na menopausa? Muitas mulheres tendem a ganhar peso quando o seu corpo deixa de produzir estrogénios. As alterações que acompanham esta perda hormonal […]
  • É hora de levantar o ânimoÉ hora de levantar o ânimo Nós, mulheres, estamos expostas a vaivéns e depressões cíclicas por culpa das nossas hormonas. Assumimos estas situações como algo […]
  • Conhece o seu corpo? Quebre os tabusConhece o seu corpo? Quebre os tabus A educação que as mulheres receberam ao longo de gerações criou uma relação negativa com o aparelho reprodutor. É importante corrigir esta […]
Partilhe com as suas amigas:
Centrada em si