Registe-se já ou introduza
o seu email e palavra-passe:

TENA Centrada em si
Home Sexo A síndrome de relaxamento vaginal
TENA Silhouette

A síndrome de relaxamento vaginal

Sexo

Relaxamento Vaginal
0 16709

O sexo já não é o que era? O seu prazer sexual diminui? Uma pergunta mais: teve filhos? Talvez tudo esteja muito mais relacionado do que imagina. Continue a ler e saiba como.


Partilhe com as suas amigas:

Notou diferença na qualidade das suas relações sexuais depois de um ou mais partos vaginais? Atenção! É provável que padeça da Síndrome de Relaxamento Vaginal (VRS). Talvez nunca tenha ouvido falar desta síndrome, mas este é o problema que pode estar na origem de muitas frustrações sexuais.

Habitualmente a Síndrome de Relaxamento Vaginal causa uma disfunção sexual: o prazer durante o coito diminui, devido a uma alteração no suporte das paredes vaginais, perdendo firmeza e tornando-se mais laxas.

Além disso, esta síndrome pode estar associada à manifestação de outros sintomas, como incontinência urinária ou cistocele e retocele ligeiros (descida da bexiga e do reto através das paredes vaginais). De facto, pode ser considerado um grau prévio ao prolapso genital.

“Vagina ampla”

Os partos vaginais são a causa mais frequente desta síndrome, mas a obesidade, as alterações hormonais e o envelhecimento natural também estão associados a este problema. Quando uma mulher teve vários filhos é natural que a vagina fique mais laxa e aberta.

Os médicos denominam esta situação por “vagina ampla”. A zona da entrada da vagina surge mais aberta do que o normal e a mulher pode introduzir dois dedos sem que nada sinta. A deterioração da rede do colagénio da mucosa da vagina é a causa desta laxação.

Em muitos casos isto faz com que a resposta sexual seja mais limitada por causa da dilatação dos genitais externos. A qualidade do coito e as sensações durante a penetração são reduzidas.

Há soluções?

Para resolver este problema surgiram recentemente terapias inovadoras que estão a oferecer bons resultados:

Estiramento vaginal a laser: proporciona a possibilidade de regeneração do colagénio ao longo do canal vaginal. A mucosa fica mais espessa e aumenta a pressão intravaginal, melhorando a sensação durante o coito. Este tratamento, além disso, pode ser um bom tratamento para a incontinência urinária leve-moderada pela regeneração do colagénio e pelo aumento do suporte da uretra distal. É indolor e não requer internamento hospitalar.

Radiofrequência: É aplicada na entrada da vagina, melhorando o estiramento do colagénio nesta zona. O resultado começa a ser notado ao fim de três meses de tratamento. É indolor e é apenas preciso uma sessão durante a consulta. As mulheres passam a notar mais a fricção da penetração, permitindo uma melhor estimulação do clítoris e o aumento da excitação.

Se tem notado uma quebra nas suas relações sexuais e a sua saúde sexual depois do parto é fonte de preocupação, consulte o ginecologista. 4 ou 6 meses após o parto, o seu caso já pode ser avaliado e agir em consequência.

Entretanto, recomendamos-lhe fortalecer o pavimento pélvico. Deste modo, vai melhorar a qualidade da sua resposta sexual, além de prevenir a incontinências urinária.

Tenha presente que no caso de perdas de urina, enquanto não soluciona este problema, deve confiar apenas em produtos especificamente concebidos para a incontinência, como é o caso da gama TENA Mulher. Para mais informação não deixe de visitar esta página.

Pode também interessar-lhe...

Partilhe com as suas amigas:

Deixe-nos o seu comentário