Centrada em si
Home Pavimento pélvico Incontinência Perdas de urina? Enfrente-as em 5 passos

Perdas de urina? Enfrente-as em 5 passos

A incontinência urinária é frequentemente um problema que nos custa assumir. Pode provocar-nos sempre um certo mal-estar que, se não o enfrentarmos de forma positiva, resulte em problemas mais importantes a nível emocional: frustração, tristeza, ansiedade…

Para evitar que isso aconteça, devemos tomar consciência de que temos um problema e que pode haver sempre uma solução. O que é preciso é procurá-la.

Nos anos 70, os Investigadores D’Zurilla e Goldfried idealizaram uma estratégia para resolver problemas através de cinco passos. Esta técnica também é válida para lidar com a incontinência. Se resolver pô-la em prática, certamente que começará a sentir-se melhor e a ter mais controlo sobre si mesma. Esses cinco passos são:

Passo 1: Boa disposição

As dificuldades existem e já sabe que as perdas de urina são algo que acontece com grande parte das mulheres. Se falar com uma amiga, certamente que ela lhe dirá que tem o mesmo problema e que consegue prosseguir a sua vida, utilizando diferentes recursos. Não atue de forma impulsiva: pare, reconheça o que está a acontecer e comece a procurar soluções eficazes.

Passo 2: Definir como as perdas de urina a afetam

Tem de entender o que lhe está a acontecer. Em que consiste o problema? Porque é que o considera como tal? Que áreas afeta no seu dia-a-dia? Talvez se repercuta na sua vida social: diminuir as atividades e o tempo que passa fora de casa, evitar ter relações sexuais ou mudar a sua forma de vestir e sentir-se menos segura de si.

Em função disso, pode estabelecer objetivos. Por exemplo: Recuperar a sua vida social, voltar a vestir como gosta ou ter uma vida sexual tão ativa como antes.

Passo 3: Soluções possíveis

Muito bem, agora que sabe o que é que se está a passar e o que é que pretende, pergunte a si própria: Que alternativas tenho para resolver o problema? Faça uma lista com soluções possíveis: pedir ajuda a um especialista, falar com as pessoas com quem tenha mais confiança, usar pensos específicos para perdas de urina, fazer atividades em que se sinta mais segura e ampliá-las. Tudo o que lhe ocorra será válido, quantas mais opções tenha na sua lista, melhor.

Passo 4: Vantagens e inconvenientes

Agora há que ponderar as soluções que encontrou. Descarte as que não possa pôr em prática e dê  prioridade àquelas cuja realização dependa de si e que tenham mais vantagens do que inconvenientes.

Passo 5: Da teoria à prática

Por onde começar? A primeira medida a tomar, imprescindível, é consultar o seu especialista, médico e/ou fisioterapeuta especializado em pavimento pélvico, para que avalie o que se está a passar. Muitas perdas de urina solucionam-se com um tratamento adequado. Sabia?

Faça um plano passo a passo e escolha um dia para começar a trabalhar em si mesma e ficar melhor. Assim aumentará a sua autoestima, sentir-se-á mais segura de si e com  mais controlo sobre a sua vida. Siga em frente!

Lembre-se de que usar pensos específicos para perdas de urina, como os da gama TENA, a ajudará a sentir-se protegida e sem limitações. Verifique por si mesma. Solicite aqui amostras grátis.

Pode também interessar-lhe...

  • Falsos mitos sobre a incontinênciaFalsos mitos sobre a incontinência Parecem verdades e muitas mulheres tomam-nas como tal, mas são uma demonstração de que, até agora, as perdas de urina têm sido vistas e […]
  • Quando a incontinência nos ultrapassaQuando a incontinência nos ultrapassa Quando se tem problemas de perda de urina, todas as áreas da vida são afetadas: as relações sociais, o trabalho, etc.. A diminuição da […]
  • Pensos que marcam a diferençaPensos que marcam a diferença Só em Portugal, mais de 600 mil pessoas têm perdas de urina; três quartos são mulheres. Para elas, o mais importante é continuar a sua […]
  • Unidades de Pavimento Pélvico. O que são?Unidades de Pavimento Pélvico. O que são? Até recentemente, as mulheres que tinham um problema de pavimento pélvico eram tratadas exclusivamente segundo o sintoma que manifestavam. […]
Partilhe com as suas amigas:

Deixe-nos um comentário