Registe-se já ou introduza
o seu email e palavra-passe:

Centrada em si
TENA
Home Menopausa Porque é que as infeções urinárias são recorrentes?
banner_MUESTRA

Porque é que as infeções urinárias são recorrentes?

Menopausa

infeções urinárias recorrentes
1 12253

As mudanças provocadas pela menopausa, como o défice hormonal e o enfraquecimento do pavimento pélvico ou a existência de perdas de urina, podem dar origem ao aparecimento deste incómodo.


Partilhe com as suas amigas:

As infeções urinárias são muito incómodas e quando se repetem no tempo podem converter-se num pesadelo. A partir da menopausa é fácil estar exposta a este problema. A redução hormonal e o enfraquecimento do pavimento pélvico, que pode provocar prolapsos da bexiga ou perdas de urina, em geral fazem com que as cistites recorrentes sejam habituais nesta época da vida da mulher.

Causas

  • Baixos níveis de estrogénios vaginais: provocam a redução da flora vaginal que protege esta zona: os lactobacilos. Estes microrganismos atuam como mecanismo de defesa para evitar a colonização de bactérias e são responsáveis por manter o pH ácido da vagina. Com a chegada da menopausa, a proteção desta zona diminui. Se além disso a mulher sofrer de incontinência urinária, a sua flora vaginal e o pH já estarão alterados, o que faz com que sofra infeções recorrentes.
  • A existência de  prolapso da bexiga: no caso das mulheres que têm cistocele, o desprendimento deste órgão impede que esvazie adequadamente e provoca a permanência de resíduos de urina que podem dar origem à colonização de bactérias.
  • As perdas de urina: as mulheres que sofrem de incontinência urinária têm mais probabilidades de desenvolver este problema. Por sua vez, as cistites recorrentes podem provocar perdas de urina. Neste caso, geralmente a mulher sofre os sintomas típicos da incontinência de urgência. Esta deve-se ao facto de a inflamação que provoca a infeção irritar o músculo responsável pelo esvaziamento da bexiga, provocando contrações involuntárias difíceis de controlar.

Como prevenir a cistite repetitiva

  • Mirtilos: são uma opção preventiva muito eficaz para as mulheres que não querem estar constantemente a tomar antibióticos. Como ultimamente estão na moda, é fácil encontrá-los tanto em comprimidos como frescos e consumi-los em sumo ou combinados com outros alimentos. Os mirtilos reduzem o número de infeções repetitivas porque conseguem evitar que as bactérias adiram às células do epitélio da bexiga.
  • Estrogénios por via vaginal: é o tratamento médico mais frequente nos casos de atrofia vaginal habituais na pós-menopausa. Os estrogénios aumentam a concentração de lactobacilos da flora, o que mantém o pH vaginal e reduz as infeções urinárias recorrentes.
  • Cirurgia: se existirem perdas de urina ou caroços nos órgãos genitais associados a infeções urinárias repetidas, como cistocele, o ginecologista especializado em pavimento pélvico deve corrigir o problema com o tratamento cirúrgico mais adequado a cada caso e evitar assim as infeções que estavam a ser causadas de forma secundária.

Se as cistites recorrentes forem um problema para si, deve consultar o médico para avaliar qual é a forma mais eficaz de as prevenir no seu caso, sobretudo se tiver perdas de urina. Entretanto, lembre-se que é importante confiar num produto adequado enquanto resolve o problema: os pensos específicos para o pH e a densidade da urina como os da gama TENA, que a farão sentir-se segura e protegida. Quer experimentá-los? Peça amostras grátis aqui.

  • Perante o menor indício de infeção urinária, consulte o médico para que este avalie com que tratamento deve atacar a infeção.

Pode também interessar-lhe...

Partilhe com as suas amigas:
1 comentário a este artigo