Registe-se já ou introduza
o seu email e palavra-passe:

Centrada em si
TENA
Home Psicologia Conselhos para evitar a síndrome do cuidador
banner_MUESTRA

Conselhos para evitar a síndrome do cuidador

Psicologia

Sindrome
0 90330

Se sente que a responsabilidade de cuidar de alguém faz com que se sinta triste e ansiosa constantemente, cuidado! Damos-lhe alguns conselhos para ajudá-la a enfrentar melhor este problema.


Partilhe com as suas amigas:

A síndrome do cuidador é um estado emocional de ansiedade, tristeza e esgotamento produzidos pelo stress continuado que acompanha uma pessoa que cuida de outra. Soa-lhe demasiado familiar? Revê-se nestes sintomas?

Sabe que não é fácil adaptar-se às mudanças que este tipo de situação acarreta. Mas se não o fazemos, podemos sentir-nos sobrecarregadas, “queimadas”, com sintomas de ansiedade e tristeza.

Fale sobre a sua situação: sobre os seus medos, conflitos e necessidades. Se precisar, peça ajuda profissional

Existe já uma consciência generalizada, no setor da saúde, e foram definidas indicações sobre como “cuidar do cuidador”. Compilámos algumas indicações chave que podem ajudá-la a gerir melhor estas emoções.

Siga os nossos conselhos:

  • Assuma a situação: em primeiro lugar, aceite que não é, nem nunca vai ser fácil. A situação vai progressivamente requerer mais tempo e dedicação. Se não nos centramos e não tivermos em conta as nossas próprias necessidades, podemos acabar por precisar também nós de ajuda.
  • Você não é uma super-mulher e nem tem de sê-lo. Seja realista sobre até onde pode chegar. Aceite que a sua vida vai mudar e não consegue fazer tudo sozinha.
  • Não negligencie o seu tempo de ócio na medida do possível. Faça planos a curto prazo.
  • Reserve tempo para si e para a sua família todas as semanas, do tempo que está normalmente dedicado à pessoa que tem a seu cargo.
  • Planifique: encontre-se de tempos a tempos com os outros cuidadores, se existirem, e estabeleça um horário realista para enfrentar as necessidades que possam surgir.
  • Peça ajuda: você não é a melhor cuidadora do mundo, não pense que ninguém vai conseguir ser tão boa cuidadora como você.
  • Mantenha a sua independência em relação à pessoa que cuida. Não se exceda como cuidadora. É possível que o nosso desejo de ajudar estejamos a fazer coisas por ela que ainda que possa continuar a fazer e que convém manter.
  • Ninguém lhe exige que seja a cuidadora perfeita, é suficiente ser uma boa cuidadora. Não tem de se negligenciar para cuidar bem de outra pessoa.

Fale sobre o que está a acontecer: quais são os seus medos e as suas necessidades. Se precisa de ajuda, lembramos-lhe que deve recorrer a um profissional para saber como enfrentar melhor a situação e gerir as suas emoções da melhor forma.

Pode também interessar-lhe...

  • O que é a síndrome do cuidador?O que é a síndrome do cuidador? Quando temos que cuidar de idosos, como por exemplo os nossos pais, costumamos dar prioridade ao dever e às obrigações que temos para com […]
  • Quando é a nossa vez de cuidar dos nossos paisQuando é a nossa vez de cuidar dos nossos pais Os anos passam para nós e para os nossos progenitores também, e um dia teremos que ser nós a cuidar deles. Mas as circunstâncias atuais […]
  • Nunca diga ‘já é tarde’Nunca diga ‘já é tarde’ Se é daquelas pessoas que pensam que a vida se divide em compartimentos estanques e que o que não fez até agora já não vai fazer, mude de […]
  • A importância das amigasA importância das amigas Compreendem-nos, suportam-nos, apoiam-nos, animam-nos… E gostam de nós. São um apoio fundamental para viver as mudanças da menopausa com […]
  • Enfrentar a maternidadeEnfrentar a maternidade Sente-se a mulher mais feliz do mundo e de repente vai-se a baixo? O início da maternidade costuma trazer consigo uma roda-viva de emoções […]
  • Tem dificuldade em aceitar críticas?Tem dificuldade em aceitar críticas? Ninguém gosta de ser alvo de críticas. Mas também não podemos evitar que determinados aspectos do nosso carácter ou da forma como nos […]
Partilhe com as suas amigas:
Foto: istock.com / MariaDubova

Deixe-nos um comentário