Registe-se já ou introduza
o seu email e palavra-passe:

Centrada em si
TENA
Home Menopausa A importância dos cuidados íntimos
banner_MUESTRA

A importância dos cuidados íntimos

Menopausa

A importância dos cuidados íntimos
0 10033

As mudanças da menopausa também afetam a nossa zona vaginal, causando problemas como comichão, dor e dificuldades nas relações sexuais. Produtos como o ácido hialurónico ou a centelha asiática ajudam-nos a manter esta zona em boas condições .


Partilhe com as suas amigas:

Na menopausa é especialmente importante mantermos uma higiene íntima adequada e darmos mais atenção à área genital, já que nesta etapa da nossa vida o aparecimento da atrofia genital ou da incontinência urinária pode aumentar o desconforto.

Na menopausa os baixos níveis de estrogénios, o pH elevado (não ácido) e a falta de lactobacilos protetores da mucosa vaginal combinam-se. As sensações incómodas, como ardor e prurido genital, de origem não infeciosa, são frequentes devido à secura e à atrofia, pelo que se torna necessário uma maior hidratação e regeneração vaginal.

Atrofia genital

Este desconforto que afeta até 50% das mulheres nos primeiros anos da menopausa, carateriza-se pela sensação de secura e a inflamação dos órgãos genitais, que provoca uma sensibilidade especial e desconforto com o atrito ou as relações sexuais. Também pode ocorrer noutras etapas, devido à falta de estrogénios no período do pós-parto e do aleitamento.

A pele da vulva e a mucosa vaginal perdem elasticidade e turgescência, a entrada da vagina estreita-se, os pequenos lábios desaparecem e o interior da vagina sangra ao atrito com mais facilidade. Além disso, as relações sexuais passam a ser dolorosas porque nesta fase a vagina torna-se mais curta, mais estreita e menos flexível.

Agentes ambientais

Existem irritantes físicos (como um pessário em casos de prolapso uterino) ou químicos que, usados de forma contínua, podem causar sintomas e sinais semelhantes aos da atrofia por falta de estrogénios.

Nesta fase, tal como cuidamos do rosto ou das mãos, devemos incorporar produtos que minimizem a atrofia ou a secura vaginal.

Na lista de alergénios ou irritantes químicos podemos enumerar: determinados perfumes, desodorizantes, sabonetes, protetores de roupa interior, compressas absorventes que não afastam a urina da pele, espermicidas, preservativos de látex, lubrificantes ou roupa apertada ou de composição sintética…

Se tem perdas de urina, certifique-se de que as proteções que usa cuidam da sua pele e estão preparadas para evitar, entre outros incómodos, a irritação da zona genital. Use pensos que lhe deem todas as garantias, como os da TENA (Peça aqui amostras grátis).

Cosmética íntima a ter em conta

Nesta etapa, tal como cuidamos do rosto ou das mãos, devemos integrar na nossa rotina diária alguns produtos que nos ajudarão a minimizar os problemas da atrofia ou da secura. Tome nota:

  • Gel de limpeza que contenha aloé vera ou planta do chá, com pH 7, para proteger e acalmar a comichão própria da vaginite atrófica.
  • ácido hialurónico é um potente hidratante que pode ser usado intravaginalmente nos casos em que a nossa sexualidade seja afetada por desconforto, incluindo hemorragias do epitélio vaginal, que se torna adelgaçado e sensível.
  • centelha asiática é um regenerante da pele e das mucosas, que também pode ser muito útil para as relações sexuais.
  • Os produtos probióticos ou que contenham extrato de mirtilo melhoram a flora ou ecossistema vaginal, ajudando a prevenir as infeções geniturinárias.

Pode também interessar-lhe...

  • Prepare-se para a menopausaPrepare-se para a menopausa Antes de entrar na menopausa tenha um cuidado especial em manter o seu pavimento pélvico na melhor forma para evitar problemas; não falte […]
  • Falsos mitos sobre a menopausaFalsos mitos sobre a menopausa Desmontamos várias ideias preconcebidas que alguns meios de comunicação continuam a perpetuar sobre esta etapa da vida da mulher e que não […]
  • Combater a rotina do casalCombater a rotina do casal Sente que nada é como antes na sua relação amorosa? Não sente o mesmo desejo que antes? As coisas mudam com o tempo, sobretudo em momentos […]
  • O famoso ponto G existe realmente?O famoso ponto G existe realmente? Ainda que a comunidade científica não seja unânime quanto à existência do ponto G, vamos tentar ajudá-la a localizá-lo no mapa da anatomia […]
Partilhe com as suas amigas:

Deixe-nos um comentário