Registe-se já ou introduza
o seu email e palavra-passe:

Centrada em si
TENA
Home Psicologia Super-mulher? Simplesmente, mulher
banner_MUESTRA

Super-mulher? Simplesmente, mulher

Psicologia

super-mulher
0 1240

A luta das mulheres para participar na sociedade em igualdade de condições e o seu desenvolvimento como pessoas, implica muitas vezes demasiada autocrítica e stress. Cuidado, não somos super-mulheres!


Partilhe com as suas amigas:

As mulheres têm lutado pelos seus direitos desde que entraram no mundo laboral. Mas esta luta também nos levou a um nível de autocrítica e exigência perigoso. Queremos ser super-mulheres. Excelentes trabalhadoras, mães responsáveis e amorosas, namoradas/esposas dedicadas, amantes perfeitas, boas filhas, amigas incansáveis… E ainda sempre lindas e fabulosas. Como é possível ser tantas coisas e não deixar algo esquecido pelo caminho?

O lado mau de tudo isto é que costumamos esquecer quem somos realmente. O trabalho, os filhos, a família, as tarefas do lar… Todos os dias lutamos por nos desenvolvermos como pessoas e temos pouco tempo. A quem o “roubamos”? O mais frequente é que seja a nós mesmas.

  • Defina o seu bem-estar como prioridade: ninguém melhor que você mesma para estabelecer orientações para se sentir melhor e cuidar da sua própria saúde. Não falte a nenhuma revisão ginecológica. Informe-se e assuma uma atitude positiva.
  • Cuide bem de si: faça uma alimentação saudável, pratique atividades físicas e mime-se física e mentalmente. Mantenha as suas amigas por perto. Rir diariamente é “vitamina” pura. Para sentir-se bem tem de estar bem. Invista em “mudanças” positivas.
  • Desfrute da vida: cuidado com o centrar-se demasiado nas suas milhares de obrigações e não deixar espaço para si mesma. Dedique-se a um hobby, permita-se a alguns caprichos e não se esqueça dos seus sonhos.
  • Aprenda a delegar: se vive com o seu parceiro e ambos trabalham fora, negoceie a execução das tarefas do lar. O ponto chave é que não a ajudem, mas sim que colaborem juntos, com um objetivo comum.
  • Exerça a sua sexualidade com liberdade: ninguém deve dizer-lhe o que deve fazer, nem quando fazê-lo. Não admita violência. Conheça o seu corpo.
  • E claro, lute pelos seus direitos: a lei afirma que homens e mulheres são iguais. Não deixe passar qualquer tipo de discriminação por questões de género.

Pode também interessar-lhe...

Partilhe com as suas amigas:

Deixe-nos um comentário