Centrada em si
Perguntas frequentes

O pavimento pélvico é um grande desconhecido para muitas mulheres, que tomam consciência desta musculatura pela primeira vez nas aulas de preparação para o parto. Outras descobrem a sua importância na menopausa, quando o envelhecimento muscular altera a sua funcionalidade. Para a mulher esta musculatura é muito importante porque afeta diretamente a sua qualidade de vida. Gostaria de saber mais sobre o pavimento pélvico? Tem dúvidas? Nesta seção, tentaremos resolvê-las, respondendo às perguntas mais frequentes que possa colocar a si própria sobre o pavimento pélvico.

  1. Tenho perdas de urina, a quem devo dirigir-me?
    Se acha que tem um problema do pavimento pélvico é muito importante ser avaliada por um profissional. Após o seu médico ou ginecologista examinar o seu caso pode encaminhá-la para um fisioterapeuta especializado em pavimento pélvico ou para uma Unidade de Pavimento Pélvico, que é formada por uma equipa multidisciplinar de ginecologista, urologista, fisioterapeuta, proctologista, psicólogo e nutricionista.
  2. Porque é que em certos exercícios perco a contração do pavimento pélvico ou deixo de o sentir?
    Isso significa que o exercício é demasiado intenso para o seu pavimento pélvico e não deve ser apropriado para si. Nestes casos deve concentrar-se apenas nos exercícios em que sinta bem a contração do pavimento pélvico e à medida que for ganhando força, verá que pode expandir os exercícios.
  3. Com estes exercícios posso curar-me da incontinência urinária?
    O objetivo deste site não é tratar a incontinência urinária, mas sim informar e dar orientações para a sua prevenção. Recomendamos que qualquer mulher que tenha perdas de urina consulte um centro especializado em pavimento pélvico onde será submetida a um exame completo para determinar o tratamento mais adequado.
  4. Não sei se estou a contrair bem os músculos abdominais profundos.
    Antes de contrair estes músculos é importante saber bem onde devemos senti-los e o que sentiremos ao contraí-los. Devemos sentir os músculos abdominais profundos na região inferior do abdómen, abaixo do umbigo e perto dos ossos laterais da pelve. Quando tentamos meter suavemente esta parte inferior do abdómen para dentro, sentimos uma tensão suave. Nunca sentiremos uma forte contração como quando contraímos o quadríceps ou os glúteos, que são músculos grandes. A sensação é muito suave. Se o que observamos é que esta parte inferior do abdómen incha ou se sentimos uma forte contração é porque que estamos a fazer o exercício incorretamente.
  5. Em que consiste a massagem perineal? É benéfica?
    É uma técnica simples que permite obter uma maior elasticidade dos tecidos à volta da vagina, diminuindo o risco de rotura durante o parto, bem como a necessidade de uma episiotomia. Ajuda a preparar-se para as sensações de pressão e alongamento que vai sentir à medida que a cabeça do bebé descer. Conhecer estas sensações ajuda-a a relaxar em vez de ficar tensa, facilitando a saída do bebé no momento do perto. Nas primeiras vezes é conveniente utilizar um espelho para localizar a vagina e o períneo (a área entre a vagina e o reto). Procure um local confortável, numa posição cómoda (sobre uma almofada) e lubrifique os tecidos à volta da vagina e os dedos com óleo de rosa mosqueta. Massaje durante alguns minutos por dia, a partir da 35ª semana de gravidez, introduzindo os polegares dentro da vagina, pressionando para baixo e para os lados, como se estivesse a abrir a saída. Quanto mais consciente estiver do seu corpo e das suas sensações, mais poderá ajudar-se a enfrentar o parto de forma descontraída.
  6. Como posso cuidar do meu pavimento pélvico?
    Com o ritmo de vida que levamos, esquecemo-nos de cuidar de nós próprias e o nosso pavimento pélvico é fundamental porque do seu bom estado depende a sexualidade, a micção e a defecação. Temos tendência para fazer tudo depressa e dar prioridade ao cuidado dos filhos, ao trabalho… mas o nosso bem-estar físico e psíquico depende de algo tão simples como manter hábitos de vida saudáveis e isso também é válido nos cuidados que devemos ter com o nosso pavimento pélvico. 1 Evite manter a bexiga cheia durante muito tempo (urine aproximadamente 6 vezes por dia). 2. Quando for urinar ou defecar deixe a bexiga ou o reto esvaziarem-se sozinhos, não force nem empurre com os abdominais, leve o seu tempo. 3 Hidrate-se devidamente, mas sem exceder 2 litros por dia. 4 Faça uma higiene genital adequada e cuide da flora natural da zona. 5 Trate do excesso de peso e da obstipação com uma dieta equilibrada, rica em fibras, que estão presentes na fruta e nos legumes, sem esquecer o exercício físico. 6 Conheça o seu pavimento pélvico e fortaleça-o nos momentos da sua vida que podem afetá-lo, como a gravidez, o pós-parto ou a menopausa.
  7. Tenho medo do parto e das suas consequências para o pavimento pélvico. Uma cesariana evitaria danos?
    Embora em muitos países, como os Estados Unidos, a tendência seja fazer “cesarianas à la carte” para evitar os danos associados a um parto traumático, em geral a cesariana é uma cirurgia que envolve riscos e programá-la antes do parto não garante que não venham a surgir sintomas a posteriori. Por estas razões, só se justificam em função do pavimento pélvico, em certos casos nos quais já existem danos anteriores desta musculatura, como prolapsos (projeção do colo do útero ou da bexiga através da vagina), um parto traumático anterior em que tenha ocorrido um rasgão de alto grau com reparação, ou em que o dano surja no início da gravidez, como o aparecimento de incontinência urinária grave com perdas diárias e após pequenos esforços. Em qualquer caso o seu médico deve efetuar uma avaliação e expor-lhe os riscos e benefícios.
  8. Se beber menos, terei menos perdas de urina?
    Se bebemos menos para evitar perdas de urina, estaremos a fazer com que a urina se concentre, o que pode causar infeções urinárias ou irritação da bexiga. Deve estar devidamente hidratada e beber a quantidade de líquidos habitual. Mas o ideal é não beber mais de dois litros por dia e não beber antes de dormir.
  9. Tenho que mudar a dieta, se tiver perdas de urina?
    Existe um tipo de incontinência urinária, denominada incontinência de urgência, que está associada a perdas causadas pela irritabilidade do músculo detrusor da bexiga. Este músculo é responsável pela contração necessária para o esvaziamento da bexiga quando, por estar cheia, o cérebro percebe o desejo de urinar. Quando este músculo se contrai de forma involuntária provoca-nos o sintoma de urgência incontrolável e a perda de urina é inevitável. Temos de consultar um especialista, mas uma medida básica para diminuir os sintomas é suprimir as bebidas alcoólicas, o chá, o café, os refrigerantes e todas as bebidas que contenham cafeína, porque essas substâncias são irritantes para a bexiga, causando micções frequentes.
  10. Os pensos higiénicos servem para esse efeito?
    Ter perdas de urina pode limitar a sua vida normal e obrigá-la a deixar de fazer certas coisas por não se sentir segura. Os pensos de higiene feminina utilizados para o fluxo ou menstruação não servem porque o seu material absorvente não tem a densidade adequada para a urina. Por outro lado, os pensos específicos para perdas de urina, como os da TENA, conseguem neutralizar o odor a amoníaco libertado pela urina e dar à mulher a sensação de estar seca e limpa. Isso permitir-lhe-á ter uma vida totalmente ativa. Em TENA Lady pode encontrar uma gama completa e diversificada que cobre todas as necessidades de acordo com o grau de perdas, para além de que os seus produtos oferecem discrição e a máxima suavidade. Se quiser experimentá-los pode solicitar uma amostra grátis aqui.
  11. A cesariana previne problemas de perda de urina no pós-parto?
    A causa das perdas de urina depende de muitos fatores e a cesariana não elimina completamente os riscos. As alterações hormonais, o aumento de peso, não fortalecer o pavimento pélvico durante a gravidez, a idade, a obstipação, etc., são fatores que também estão relacionados com as perdas de urina após o parto, por isso, há muitas mulheres submetidas a cesarianas que têm este tipo de problemas. Não se recomenda fazer cesarianas para diminuir os riscos de perdas de urina.
  12. Quais são os benefícios do exercício do pavimento pélvico na minha vida sexual?
    Uma musculatura pélvica forte e tonificada aumenta a capacidade de lubrificação e a sensibilidade vaginal. Além disso, os músculos que se contraem e relaxam durante o clímax estarão mais fortes, o que se traduz em orgasmos mais intensos e prolongados. Por outo, controlando a musculatura vaginal a mulher pode aprender novas técnicas para ter prazer e massajar o pénis do seu parceiro durante a penetração.
  13. As bolas chinesas servem para exercitar o pavimento pélvico?
    Sim, as bolas chinesas atuam como um “peso” nos músculos à volta da vagina. Ao introduzi-las e pôr-se de pé, a mulher contrai o pavimento pélvico. Fazer este exercício todos os dias durante 20-30 minutos, fortalece a musculatura. Mesmo assim, é muito importante não só ter um pavimento pélvico tonificado mas também aprender a controlá-lo. Por isso, é aconselhável combinar o uso das bolas chinesas com exercícios específicos. Mas se tem algum problema anterior de perdas de urina ou não nota a contração do pavimento pélvico, recomendamos que consulte um profissional para avaliar o seu caso a priori.
  14. A incontinência urinária pode levar à depressão?
    Os problemas de incontinência constituem um transtorno na vida da mulher, que se vê limitada e impotente. Além disso, a sua auto-estima pode ser gravemente afetada. É importante saber exatamente o que está a acontecer no seu corpo e de que recursos dispõe para lidar com essa dificuldade. Ao mesmo tempo, o facto de iniciar algum tipo de comportamento ou tratamento para corrigir a situação melhora muito o estado de espírito. Se o problema impedir a mulher de fazer a sua vida normal ou se o estado depressivo persistir por mais de 6 meses é conveniente consultar um psicólogo.